“Honeymoon” ou Lua de Mel?

Tanto faz dizer Honeymoon ou Lua de Mel. Ambas estão corretas. Mas o termo escrito na Língua Portuguesa é a tradução do termo em Inglês, que foi usado pela primeira vez na Irlanda, onde os recém-casados tinham o costume de tomar uma bebida de baixo teor alcoólico chamada mead – ou hidromel –, composta basicamente de mel fermentado e água. A poção deveria ser consumida durante um mês ou uma lua, daí a expressão. O hidromel já foi uma bebida muito popular e difundida no mundo todo, apreciada tanto pelos antigos romanos quanto por aborígenes, africanos e pelas sociedades pré-colombianas e de povos citados na Bíblia. Como era considerado, por tradições milenares, uma fonte de vida – e com propriedades afrodisíacas – o mel deve ter contribuído para esse uso ritual irlandês.

Visto dispensável, mas não o documento de identificação. Foto: Divulgação.

Visto dispensável, mas não o documento de identificação. Foto: Divulgação.

Como um ritual pós casamento, a Lua de Mel é a oportunidade que o casal tem de separar um momento só para si, após a cerimônia, longe da vida cotidiana e da rotina profissional. E requer planejamento. A duração fica a cargo do casal. Se o seu sonho é passar a sua Lua de Mel numa viagem ao exterior, saiba que há acordos diplomáticos bilaterais do Brasil com alguns países em que se dispensa o visto de entrada para turistas. Aqui estão, em ordem alfabética,  – segundo o Itamaraty – os 66 países em que pode-se entrar sem necessidade do visto de turista:

África do Sul, Alemanha, Andorra, Antilhas Francesas, Argentina, Áustria, Bahamas, Barbados, Bélgica, Bolívia, Bósnia Guiana, Bulgária, Chile, Colômbia, Coréia do Sul, Costa Rica, Croácia, Dinamarca, Equador, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Filipinas, Finlândia, França, Geórgia, Grécia, Guatemala, Honduras, Holanda, Hong Kong, Hungria, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Liechtenstein, Luxemburgo, Malásia, Marrocos, México, Mônaco, Namíbia, Noruega, Nova Zelândia, Panamá, Paraguai, Peru, Polônia, Portugal, Reino Unido, República Tcheca, Romênia, Rússia, San Marino, Sérvia, Suécia, Suíça, Suriname, Tailândia, Trinidad e Tobago, Tunísia, Turquia, Ucrânia, Uruguai, Vaticano e Venezuela.

Apesar da dispensa de visto, o passaporte é fundamental para a entrada nesses países, com exceção dos que compõem o Mercosul, onde se pode entrar com um documento de identidade. A não exigência de visto também não significa burocracia zero. Alguns países podem exigir a apresentação de certas garantias, como confirmação de hospedagem, passagem de volta e comprovante de que possui dinheiro suficiente para se sustentar no país durante a permanência, que pode ser de até três meses, variando de país em país. Bom, agora é se programar e curtir sua Lua de Mel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *